Segunda-feira, 10 de Maio de 2010

Limites

" Digamos que estava a pôr à prova os limites da realidade.

  Estava curioso em ver o que aconteceria.

  Era tudo: apenas curiosidade.

 

JIM MORRISON

Los Angeles, 1969 "

 

 

Fonte : HOPKINS, Jerry, Daqui ninguém sai vivo (trad. de Rita Freudenthal), Assírio & Alvim, Lisboa,1994.


Publicado por Alguém às 04:21
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 9 de Maio de 2010

Caprichos

  Em Arquitectura, a defesa da ideia de que nem tudo pode ser racionalmente explicado e defensável não pode – ou não deveria… – poder ser invocada para legitimar todo e qualquer tipo de intervenção onde quer que seja.

  Tenho dito.


Publicado por Alguém às 04:30
link do post | comentar | favorito
|

Urgem mais espaços de crítica

" (…)

 

  Hoje percebemos que se vamos competir, têm que existir mudanças dramáticas.
  No caso da Arquitectura, a filosofia conservadora atinge todas as publicações onde a utilidade de informar e marcar a diferença foi substituída por uma arquitectura com forte doutrina conformista e nacionalista, circunscrita pela hegemonia da escola do Porto, através do geometricamente ortodoxo e exclusão da diferença.

(…)

  Esta prática e perfil clássico do arquitecto como artista transcende as publicações mensais para incluir muito das outras publicações mensais.

(…)

  As revistas presentemente no mercado operam nesta “sopa morna” de conformismo e repetição que ignora uma real e coerente linha crítica e uma diversidade subjacente mas pouco publicada. Tudo é tratado como se fosse uma mera memória descritiva ou “traválogo” de uma agência de viagens. A ausência de análise e coragem de comparar, contestar, criticar, discordar, aproxima as revistas do catálogo ou brochura publicitária de imobiliário. “

 

(…) “

 

John Chamberlain, arquitecto, IN “Um espaço de crítica” da revista Arquitectura e Vida n.º 74


Publicado por Alguém às 04:27
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 7 de Maio de 2010

A. Camus : A Queda

(...)

 

  " A escravatura, ah, isso não, nós somos contra! Que se seja constrangido a instalá-la em sua casa, ou nas fábricas, bom, está na ordem das coisas, mas gabar-se disso é o cúmulo.

  Sei bem que não se pode passar sem dominar ou ser-se servido. Todo o homem tem necessidade de escravos como de ar puro."

 

(...)

 

CAMUS, Albert, A Queda, (trad. de José Terra) Editora Livros do Brasil, Lisboa, 2008.


Publicado por Alguém às 03:59
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 25 de Abril de 2010

Memórias futuras

(...)

 

  "A natureza das imagens de algo que ainda não aconteceu, e que pode de facto nunca vir a acontecer,não é diferente das imagens acerca de algo que já aconteceu e que retemos. Elas constituem a memória de um futuro possível (...) são construções do cérebro."

 

(...)

 

António Damásio IN "O Erro de Descartes, Emoção,Razão e Cérebro Humano" - Publicações Europa-América


Publicado por Alguém às 05:01
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 2 de Abril de 2010

Formas de Literatura

  “ Toda a arte é uma forma de literatura, porque toda a arte é dizer qualquer coisa. Há duas formas de dizer – falar e estar calado. As artes que não são a literatura são as projecções de um silêncio expressivo

 

(…)

 

  O caso parece menos simples para as artes visuais, mas, se nos prepararmos com a consideração de que linhas, planos, volumes, cores, justaposições e contraposições são fenómenos verbais dados sem palavras ou antes por hieróglifos espirituais, compreenderemos como compreender as artes visuais e, ainda que as não cheguemos a compreender ainda, teremos, ao menos, já em nosso poder o livro que contém a cifra e a alma que pode conter a decifração. Tanto basta até chegar o resto.”

 

 

Álvaro de Campos IN Presença, n.º 48, Coimbra, Julho de 1936 


Publicado por Alguém às 03:30
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Setembro de 2009

9 : EPAC-CTCR TOMMASO

 

(...)

 

11. Nós cantaremos as grandes multidões agitadas pelo trabalho, pelo prazer ou pelo tumulto; cantaremos as marés multicoloridas e polifónicas das revoluções nas capitais modernas; cantaremos o vibrante fervor nocturno dos arsenais e dos estaleiros incendiados por violentas luas eléctricas; as estações esganadas, devoradoras de serpentes que fumam; as oficinas penduradas às nuvens pelos fios contorcidos das suas fumaças; as pontes, semelhantes a ginastas gigantes que cavalgam os rios, faiscantes ao sol com um luzir de facas;  as locomotivas de largo peito, que passam sobre os trilhos como enormes cavalos de aço enleados de carros; e o vôo rasante dos aviões, cuja hélice freme ao vento, como uma bandeira, e parece aplaudir como uma multidão entusiasta.

 

(...)

 

 

MARINETTI, Filippo Tommaso, Manifesto Futurista. Le Fígaro, 20 de Fevereiro de 1909

 

 


Publicado por Alguém às 05:46
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 2 de Abril de 2009

Paredes | Pessoa

Composição em Windows MovieMaker de  produção própria, baseada num excerto de Heróstrato - E a busca da Imortalidade, de Fernando Pessoa, e Movimento Perpétuo, de Carlos Paredes.

 

 

 

 


Publicado por Alguém às 22:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 3 de Fevereiro de 2008

Interlúdios

 

 Às vezes julgo que, de todos os tempos que temos, os entretantos são os mais menosprezados. 1

Porque se pensa que os momentos entre Actos, ou Acções Maiores, não têm qualquer interesse; são meros interlúdios, momentos de ócio casualmente temporários ou são meras deslocações entre dois Sítios, que são aqueles que nos importam, na altura.

Mas as possibilidades que um interlúdio oferece são desconhecidas - entre dois lugares existe o mesmo: uma sucessão de  outros lugares, que podem albergar vida, acontecimentos. A nossa passagem por eles tem a hipótese de afectá-los e ficar marcada. Portanto não sabemos o que podemos esperar ao virar da esquina. Não sabemos o que veremos hoje, num Lugar pelo qual passamos invariavelmente todos os dias e que costuma estar amorfo.

Os pequenos momentos não devem ser subestimados.

A Realidade não deve ser considerada previsível nem plana.

Imagem: fotografia de Elliot Erwitt

1 CARDOSO, Miguel Esteves - O Amor é Fodido. Odivelas : Assírio & Alvim, 2006, p. 60


Publicado por Alguém às 02:49
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 23 de Julho de 2007

Continuidade

"

 Começar é fácil. Acabar é mais fácil ainda.

(...)

 

Cada começo é uma mudança e o coração humano vicia-se em mudar. Vicia-se na novidade do arranque, do início, da inauguração, da primeira linha na página branca, da luz e do barulho das portas a abrir.

 Começar é fácil. Acabar é mais fácil ainda. Por isso respeito cada vez menos estas actividades. Aprendi que o mais natural é criar e o mais difícil de tudo é continuar. A actividade que eu mais amo e respeito é a actividade de manter.

(...)

 Preservar, que é uma das nossas mais puras e portuguesas paixões, perpetuar uma amizade ou um monte de pedras, tanto faz - conta como sinónimo de estagnar. Manter e continuar as coisas, sem as querer mudar, é visto como perversão e má vontade.

 Desenvolver, arrancar, iniciar, evoluir, renovar: são estas as palavras do nosso tempo. (...) Mas as coisas velhas não se curam com coisas novas. Sobretudo quando não se lhes dá o tempo para envelhecer. É como se quiséssemos mudar de corpo cada vez que adoecêssemos.

"

 

Miguel Esteves Cardoso IN As Minhas Aventuras na República Portuguesa - Editora Assírio & Alvim, 6ª Edição

 

Infografia : Produção Própria


Publicado por Alguém às 03:39
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Abril de 2007

Estado [de alma]

"Triste como um pátio à chuva."

António Lobo Antunes, citado por Pedro Ribeiro IN http://osdiasuteis.blogspot.com/

tags: ,

Publicado por Alguém às 00:15
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 29 de Janeiro de 2007

Hesitação de agir...

" O escrúpulo é a morte da acção. Pensar na sensibilidade alheia é estar certo de não agir. Não há acção, por mais pequena que seja -  e quanto mais importante, mais isso é certo - que não fira outra alma, que não magoe alguém, que não contenha elementos de que, se tivermos coração, não nos tenhamos de arrepender (...) "

Barão de Teive IN A Educação do Estóico


Publicado por Alguém às 13:38
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 20 de Janeiro de 2007

Povo luso...

 “Há algo de americano, com a barulheira e o quotidiano omitidos, no temperamento intelectual deste povo. Ninguém como ele se apropria tão prontamente das novidades. Nenhum povo despersonaliza tão magicamente. Essa fraqueza é a sua grande força (…). Porque o facto significativo acerca dos portugueses é que eles são o povo mais civilizado da Europa. Eles nascem civilizados porque nascem aceitadores de tudo (…). Outros povos acordam todas as manhãs no dia de ontem (…). Mas não esta tão estranha gente. Move-se tão rapidamente que deixa tudo por fazer, incluindo ir depressa. Nada há de menos ocioso do que um português. A única parte ociosa do país é aquela que trabalha. Daí a sua falta de evidente progresso. “

 Fernando Pessoa IN Obra em Prosa de Fernando Pessoa: Textos de Intervenção Social e Cultural - A Ficção dos Heterónimos.


Publicado por Alguém às 14:23
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 24 de Dezembro de 2006

Barão de Teive

Nisto o suicida foi antecipadamente injusto. As referências dos jornais prestam-lhe inteira homenagem. Assim, o correspondente local do "Diário de Notícias" transmite nestes termos ao seu jornal anotícia da morte: «Suicidou-se ontem na sua casa de Macieira o Sr. Álvaro Coelho de Athayde, 20º Barão de Teive, de uma família das mais distintas deste concelho. O triste fim do Sr. Barão de Teive causou grande consternação, pois o finado era aqui muito estimado pelas suas belas qualidades de carácter.»

Quinta da Macieira

12 de Julho de 1920

(...) "Por isso [Pessoa] inventou o barão, depositou nele a sua orgulhosa razão, e matou-o com um sorriso que nada tinha de inocente."

Fonte: Barão de Teive - A educação do Estóico; Editora Assírio & Alvim

 


Publicado por Alguém às 16:46
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 23 de Novembro de 2006

Arte Verdade Acaso

" A procura da verdade - seja a verdade subjectiva do convencimento, a objectiva da realidade, ou a social do dinheiro ou do poder - traz sempre consigo, se nela se emprega quem merece prémio, o conhecimento último da sua inexistência. A sorte grande da vida sai somente aos que compraram por acaso.

A arte tem valia porque nos tira de aqui.

"

Bernardo Soares IN LIvro do Desassossego - Texto nº 361.

tags:

Publicado por Alguém às 23:48
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 15 de Novembro de 2006

Prática vs Sensibilidade

"

O Mundo é de quem não sente. A condição essencial para se ser um homem prático é a ausência de sensibilidade. A qualidade principal na prática da vida é aquela qualidade que conduz à acção, isto é, a vontade.

(...)

"

Bernardo Soares, IN Livro do Desassossego - Texto nº 303.

tags:

Publicado por Alguém às 15:43
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 5 de Novembro de 2006

"Amor" ...

"

Nascemos todos com vontade de amar. Ser amado é secundário. Prejudica o amor que muitas vezes o antecede. Um amor não pode pertencer a duas pessoas, por muito que o queiramos. Cada um tem o amor que tem, fora dele. É esse afastamento que nos magoa, que nos põe doidos, sempre à procura do eco que não vem. Os que vêm são bem-vindos, às vezes, mas não são os que queremos. Quando somos honestos, ou estamos apaixonados, é apenas um que se pretende.
Tenho a certeza que não se pode ter o que se ama. Ser amado não corresponde jamais ao amor que temos, porque não nos pertence. Por isso escrevemos romances - porque ninguém acredita neles, excepto quem os escreve.
Viver é outra coisa. Amar e ser amado distrai-nos irremediavelmente. O amor apouca-se e perde-se quando quando se dá aos dias e às pessoas. Traduz-se e deixa ser o que é. Só na solidão permanece...

O amor é fodido. Hei-de acreditar sempre nisto. Onde quer que haja amor, ele acabará, mais tarde ou mais cedo, por ser fodido.

(...)

"

Miguel Esteves Cardoso IN O Amor é fodido .

tags:

Publicado por Alguém às 22:21
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 3 de Novembro de 2006

Exteriorizações...

"

O entusiasmo é uma grosseria.

(...)

Exteriorizar impressões é mais persuadirmo-nos de que as temos do que termo-las.

 "

 

 

 

Bernardo Soares IN "Livro do Desassossego" - texto nº 211

tags:

Publicado por Alguém às 21:42
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 30 de Outubro de 2006

Contemporaneidade...

"

Na vida de hoje, o mundo só pertence aos estúpidos, aos insensíveis e aos agitados. O direito a viver e a triunfar conquista-se hoje quase pelos mesmos processos por que se conquista o internamento num manicómio; a incapacidade de pensar, a amoralidade, e a hiperexcitação.

"

Bernardo Soares, IN Livro do Desassossego

tags:

Publicado por Alguém às 01:12
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Outubro de 2006

Desassossego Pessoano nº127

"Eu não me queixo pelo mundo. Não protesto em nome do universo. Não sou pessimista. Sofro e queixo-me, mas não sei se o que há de geral é o sofrimento nem sei se é humano sofrer. Que me importa saber se isso é certo ou não?

Eu sofro, não sei se merecidamente. (Corça perseguida)

Eu não sou pessimista, sou triste."

 

Bernardo Soares, IN "Livro do Desassossego" - texto 127. 

tags:

Publicado por Alguém às 21:56
link do post | comentar | favorito
|

_Alguém...


_ Perfil

_ seguir perfil

. 4 seguidores

_pesquisar

 

_Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29


_Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

_Artigos recentes

_ Limites

_ Caprichos

_ Urgem mais espaços de crí...

_ A. Camus : A Queda

_ Memórias futuras

_ Formas de Literatura

_ 9 : EPAC-CTCR TOMMASO

_ Paredes | Pessoa

_ Interlúdios

_ Continuidade

_ Estado [de alma]

_ Hesitação de agir...

_ Povo luso...

_ Barão de Teive

_ Arte Verdade Acaso

_ Prática vs Sensibilidade

_ "Amor" ...

_ Exteriorizações...

_ Contemporaneidade...

_ Desassossego Pessoano nº1...

_Arquivos

_ Setembro 2010

_ Maio 2010

_ Abril 2010

_ Março 2010

_ Fevereiro 2010

_ Janeiro 2010

_ Setembro 2009

_ Agosto 2009

_ Julho 2009

_ Junho 2009

_ Maio 2009

_ Abril 2009

_ Fevereiro 2008

_ Outubro 2007

_ Setembro 2007

_ Julho 2007

_ Abril 2007

_ Fevereiro 2007

_ Janeiro 2007

_ Dezembro 2006

_ Novembro 2006

_ Outubro 2006

_tags

_ todas as tags

_Links

_Blog Patrol > 25 04

_Twitter

Follow F_Lavareda on Twitter

_Last FM

mstfst's Profile Page

_Visitas

SAPO Blogs

_subscrever feeds